• plantas para apartamentos
Dicas

Microverdes

microverdes

Microverdes são hortaliças tenras e ultrajovens, de diferentes espécies herbáceas e aromáticas, colhidas entre 7 e 21 dias após a germinação. No momento, são uma das grandes apostas da horticultura e sucesso absoluto entre os adeptos da alimentação saudável, inclusive pela facilidade de seu cultivo em ambientes internos, até mesmo pequenos apartamentos.

Além das características marcantes no sabor e textura, os microverdes em geral contém uma concentração maior de nutrientes, o que tem tornado sua procura ainda maior entre as pessoas que querem trazer mais saúde ao cardápio do dia-a-dia. Além de seu valor nutricional, os microverdes podem adicionar sabor, textura e cor a saladas e sanduíches e são perfeitos para finalização, conferindo ainda cor e elegância aos pratos.

Para as crianças, a novidade também empolga – é possível envovê-las no plantio e cultivo e no preparo dos pratos – os tamanhos reduzidos e cores diversificadas trazem curiosidade aos pequenos, que podem assim incluir nutrientes divertidos em sua alimentação.

microverdes

Brotos X Microverdes

A princípio parecem a mesma coisa, porém brotos e microverdes são diferentes, apesar de ambos serem vegetais jovens. Brotos são sementes germinadas, colhidas assim que a semente começa a crescer e antes que suas folhas se desenvolvam. Por outro lado, microverdes crescem de brotos mas tem cotiledones totalmente desenvolvidas e as primeiras folhas verdadeiras também estão presentes.

Sustentabilidade

Há um interesse crescente em sustentabilidade e os microverdes podem ser uma boa maneira de fornecer às famílias que moram em grandes cidades vegetais sazonais produzidos localmente a um custo baixo. Com um pequeno investimento inicial, este tipo de cultivo pode fornecer um retorno significativo em termos de volume, variedade e nutrientes. Como levam apenas algumas semanas para crescer, é possível ter uma fonte contínua de vegetais frescos no dia-a-dia.

Como cultivar microverdes

Para cultivar microverdes em casa basta ter luz (eles precisam de luz para germinar), substrato e sementes livres de agrotóxicos, já que este tipo de alimento é consumido cru.

Horta inteligente

Ficou empolgado? Então saiba que é possível cultivar microverdes em pequenos espaços com uma horta inteligente. Na UP você encontra a horta inteligente Greenleaf, que demanda menos espaço, faz menos sujeira e vem com iluminação embutida – uma facilidade! E você também vai encontrar uma infinidade de tipos de culturas para começar seu cultivo – todas 100% naturais, orgânicas e livres de agrotóxicos.

CONFIRA A LINHA GREENLEAF NA UP E VIRE UM JARDINEIRO URBANO

buddha bowl

#RECEITA | Buddha Bowl

Buddha Bowl é sucesso no Instagram, principalmente entre os perfis fit.
Trata-se de uma refeição vegetariana, servida em um bowl ou prato fundo, com pequenas porções de diversos tipos de alimentos servidos frios.
A base pode ser de grãos integrais, como quinoa ou arroz, mais uma proteína vegetal (tofu, seitan, edamame, feijão, grão de bico) e, em seguida, verduras e muitos vegetais frescos. Para finalizar, molho a sua escolha, sementes ou castanhas e microverdes ou brotos frescos.

Sugestão de molho

1 colher (sopa) de missô
1/4 xícara (chá) de tahini
2 colheres (sopa) de molho de soja
3 colheres (sopa) de água (aproximadamente)
suco de 1/2 limão
pimenta a gosto

Misture todos os ingredientes e vá acrescentando a água aos poucos, até chegar na espessura que você deseja para o molho.

Caldos e Cremes Receitas Sopas

Outono – Guia para Sopas e Caldos perfeitos

guia para preparar sopas

Uma coisa é certa, preparar sopas é quase tão reconfortante quanto comê-las – e ter uma panela fervendo no fogão é algo que aquece e perfuma a casa durante o outono e o inverno. O preparo não é dos mais difíceis e o segredo se concentra basicamente o sabor e não na técnica, mas algumas dicas podem garantir sopas ainda mais saborosas.

Dobre a receita

Sopas são fáceis de fazer em grandes quantidades e são um dos pratos mais simples de congelar. Então, dobre os ingredientes, pegue uma panela maior e faça duas refeições em vez de uma. Você terá à mão um pote de sopa para aquele dia cansativo que precisa terminar bem.

CONFIRA NOSSA SELEÇÃO DE CALDEIRÕES LE CREUSET

Um bom refogado

Para fazer uma boa sopa você precisa construir sabores à medida que vai cozinhando. Vegetais como cebola, alho, alho-poró, aipo e cenoura – chamados de “aromáticos” – fazem parte da maioria das receitas de sopa por esse motivo e são salteados em óleo ou manteiga como uma primeira etapa da preparação do sabor. Certifique-se de que estão cozidos o suficiente para liberar seus sabores antes de passar para a próxima etapa, geralmente o líquido.

Considere o tempo de preparo de cada ingrediente

Uma ervilha cozinha muito mais rápido do que um cubo de cenoura. Programe a adição dos vegetais para que terminem de cozinhar o mais próximo possível, garantindo um cozimento uniforme.

Do tamanho da colher

Ao cortar os vegetais para sua sopa leve em conta o tamanho da colher. Mesmo sopas rústicas devem ter legumes bem picados e de tamanho razoável. Folhas como espinafre e couve também precisam ser picadas ou serão difíceis de comer com a colher.

O caldo

O caldo que você usa quase sempre é o ingrediente mais importante no preparo da sopa. O caldo caseiro é sempre a melhor escolha – nele você coloca os itens que garantem aroma, cor e sabor de forma equilibrada. Ele pode ser preparo antecipadamente congelado.

No entanto, se o caldo caseiro não for uma opção para você, procure comprar os produtos com menos sódio entre as opções disponíveis no supermercado.

Ferver, ferver, ferver

Quando a sopa começar a ferver, reduza o fogo e deixe que ele faça o trabalho. Nada de fogo alto! Um caldo cozido lentamente garante um resultado final muito melhor.

sopa

Massas

Se você for adicionar macarrão à sua sopa (recomendamos muito!) não cozinhe o macarrão separadamente. Junte o macarrão como adição final e cozinhe até ficar macio, permitindo que ele tome o sabor da sopa.

Mas atenção! Se você planeja congelar sua sopa, não adicione o macarrão na panela. Em vez disso, adicione-os assim que a sopa tiver sido descongelada e levada à fervura. O macarrão terá um sabor muito mais fresco dessa forma.

sopa

Tamanho das porções

O tamanho ideal para uma porção de aperitivo é de cerca de 1 xícara (250ml), enquanto a porção de refeição é de cerca de 1 1/3 de xícara (350ml). Mas lembre-se de garantir aquele repeteco – um bom prato de sopa em uma noite fria quase sempre pede bis.

Resfriando e congelando

Deixe as sopas quentes esfriarem em temperatura ambiente, descobertas por 1 a 1/2 horas – ou até quase estarem em temperatura ambiente. Cubra e leve à geladeira até esfriar. As sopas podem durar até três dias na geladeira. Para congelar, resfrie a sopa durante anoite na geladeira e lever ao freezer no dia seguinte. As sopas duram até dois meses no freezer.

sopa

Sopas cremosas

Se você prefere sopas mais densas e cremosas, pode usar o liquidificador ou um mixer. Neste caso, leve a sopa pronta (ou parte dela, se preferir) ao liquidicador e bata até atingir a textura desejada. Volte à panela e ferva para finalizar.

Uma mistura espessante também pode ajudar se a ideia for uma sopa com pouco caldo (ideal para sopas que serão servidas dentro do pão por exemplo): misture duas colheres de sopa de amido de milho em meio copo de leite e bata até que o amido dissolva completamente. Depois, é só ir acrescentando aos poucos na sopa, até que ela fique na textura que você desejar. Algumas colheres de creme de leite também adicionam cremosidade e sabor à sopa.

Camadas de sabor

Ervas, especiarias, alho e frutas cítricas adicionam uma dimensão extra a muitos pratos e a sopa não é diferente – uma sopa italiana por exemplo ganha mais sabor com um pouco de casca de limão siciliano e manjericão fresco. Uma colher de iogurte, uma pitada de sriracha ou suco de qualquer limão podem elevar sua sopa a um plano incrível incrível. Comece com um pouco e adicione mais conforme o seu gosto. Pesto, gremolata, aioli ou tzatziki trazem vida e frescor à sopa. Azeite extra-virgem, óleo de gergelim, óleos de nozes ou quaisquer óleos aromatizados, como trufas também incluem sabor e aroma e finalizam perfeitamente sopas e caldos.

sopas

Toppings crocantes

Às vezes sua sopa precisa apenas de um pouco mais de textura para ficar perfeita. Deixe para adiconá-los já no prato para que mantenham a crocância. Nozes torradas, amêndoas, pistache ou avelãs, sementes de abóbora ou girassol torradas e até lascas de côco tostado.
Na hora de finalizar, um toque de erva verde ou de especiarias também conferem um sabor extra e fazem sua sopa parecer digna de um restaurante. Ervas picadas, como cebolinha, coentro, endro ou salsa e especiarias como cominho, páprica ou pimenta branca são perfeitos. Raspas de limão ou laranja, queijo parmesão ralado ou mesmo feta ou pecorino finalizam com perfeição um belo prato de sopa. Não sinta que precisa se limitar a uma cobertura – experimente suas combinações favoritas!

sopa

Pão pão, pão

É opcional, mas nós vamos dizer que é quase obrigatório servir a sua sopa acompanhada de uma boa porção de pão. Dos tipos mais duos, como o italiano, até opções mais macias, como brioche, pão é um acompanhamento perfeito para sopa. Servidos ao natural ou tostados levemente, eles trazem sustância e garantem o ritual. Torradas e até mesmo pão ralado fresco também funcionam super bem.

CONFIRA NOSSA SELEÇAO DE PORTA PÃES E MIGALHEIRAS

Seja qual for sua escolha, certifique-se que haja pão à mesa na hora de servir sua sopa e nós garantimos que você terá uma refeição incrível em noites de outono ou inverno.

Você também vai gostar:
– Sopa de cebola
– Sopa de espinafre e brócolis

Acompanhamentos Receitas

Acompanhamentos – Molhos

molho para aves

Eles dão vida a grelhados e assados e são imprescindíveis para trazer cremosidade a diversos pratos – molhos não são apenas um acompanhamento mas, em muitos casos, eles são fundamentais para o sucesso do cardápio. Um frango grelhado comum pode ganhar uma camada de sabor incrível quando acompanhado de um molho de cogumelos por exemplo. Peixes grelhados combinam perfeitamente com um delicioso molho a base de mostarda e mel e carnes ficam ótimas acompanhadas de um molho de alho.

Sim, uma das maneiras mais fáceis de dar nova vida aos alimentos grelhados é servi-los com molhos saborosos. Alguns molhos podem inclusive ser preparados com antecedência e guardados em geladeira e em alguns minutos você tem um prato delicioso sem muito esforço – um bom exemplo é o pesto, que acompanha carnes, aves e peixes com elegância e muito sabor. Na hora de guardar, opte pelos potes com fechamento hermético e anote a data de preparo para não perder o prazo de validade.

Pronto para transformar um prato sem graça em um banquete de sabor? Inspire-se em nossas opções de molhos para o dia-a-dia e bon appetit!

molho teriyaki

Molho Teryiaki

(um toque asiático que acompanha bem aves assadas e grelhadas )

½ xícara de molho de soja
¼ xícara de saquê
¼ xícara de abacaxi fresco picado
¼ xícara de mel
¼ xícara de açúcar
2 dentes de alho amassados
1 colher de sopa de gengibre fresco ralado
¼ colher de chá de molho de ostra (opcional)

Em uma panela em fogo médio coloque o molho de soja, o saquê, o abacaxi, o mel, o açúcar, o alho, o gengibre e o molho de ostra, mexa até ferver e cozinhe por cerca de 7 minutos. Retire do fogo, deixe esfriar e guarde em pote com fechamento hermético na geladeira.

molho de gorgonzola

Molho de Gorgonzola

(para aquele bife de dia-a-dia ganhar um plus!)

3 colheres de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de queijo gorgonzola esfarelado
1 dente de alho picado
cebolinha picada a gosto
pimenta do reino moída a gosto

Em uma panela pequena leve ao fogo baixo a manteiga, o queijo gorgonzola, a cebolinha, o alho e a pimenta. Aqueça lentamente por cerca de 5 minutos, mexendo de vez em quando até que o molho fique bem cremoso. Sirva quente.

lemon butter

Lemon Butter

(a simplicidade e a perfeição para acompanhar peixes grelhados)

4 colheres de sopa de manteiga sem sal cortada em pedaços (60g)
1 colher de sopa de suco de limão fresco
Pimenta do reino moída na hora

CONFIRA NOSSA SELEÇÃO DE MOEDORES DE SAL E PIMENTA

Coloque a manteiga em uma panela ou frigideira pequena em fogo médio. Derreta a manteiga e deixe em fogo baixo, mexendo de vez em quando. Quando a manteiga ficar dourada e cheirar a nozes – cerca de 3 minutos, retire do fogo imediatamente e despeje em uma tigela pequena. Adicione o suco de limão e uma pitada de sal e pimenta. Mexa e depois experimente quando esfriar ligeiramente. Ajuste o limão e sal a gosto.
Deixe descansar por 20 a 30 minutos antes de servir.

dica:
Use as sobras do molho para incrementar vegetais, purê de batata ou até mesmo passar na torrada! Leve à geladeira e use em uma semana ou congele. Para usar como molho, aqueça no microondas por 10 segundos.

Dicas Receitas Saladas

Acompanhamentos – Saladas de grãos

saladas de grãos

As saladas de grãos oferecem uma maneira diferente, fácil e acessível de usar ingredientes comuns e conhecidos do cardápio do dia-a-dia, deixando-o mais diversificado, criativo e nutritivo. Saladas de grãos também são perfeitas para ser consumidas em temperatura ambiente e por isso são uma ótima opção para marmitas, além de poderem ser preparados com antecedência – alguns tipos de os grãos inclusive vão absorver ainda mais sabor do molho à medida que descansam antes de serem servidos.

O preparo de uma ótima salada de grãos de uma maneira geral pode ser organizada em quatro componentes principais:

saladas de grãos

Grãos

Praticamente qualquer grão pode ser a base da salada: trigo, quinoa, cevadinha, lentilha, grão de bico, ervilha, fava, arroz e feijão de todos os tipos. Cada um oferece características distintas de sabor e textura, o que significa que você pode ficar com seus outros componentes de salada, trocar apenas os grãos e acabar com um resultado diferente a cada vez. O segredo, ao cozinhá-los, é preferir menos água, para que os grãos fiquem inteiros e macios.

Ingredientes de apoio

Vegetais, ervas e proteínas podem trazer mais sabor e a oportunidade de usar ingredientes sazonais que você tenha à mão: aspargos, rabanete, ervilhas frescas, tomates, abobrinha e ervas frescas que você tenha em casa – salsa, coentro, cebolinha, orégano, hortelã e tomilho são ótimas opções.

Dependendo do frescor os vegetais podem ser servidos crus ou passados em água fervente por um ou dois minutos, que ainda vai manter a sua crocância. Se tiver mais tempo disponível, você também pode grelhar ou assar outros ingredientes (sobras de vegetais grelhados ou assados viram uma deliciosa salada!): tofu assado, queijo em cubos, ovos cozidos ou o restinho de proteína que estiver em sua geladeira – carnes desfiada, frango assado ou peixe grelhado vão à salada e deixam tudo ainda mais saboroso.

salada de grãos

Molho

Opções pronta do supermercado são tentadoras mas fazer o seu próprio faz toda diferença na salada. Grãos combinam bem com molhos mais ácidos à base de vinagrete de vinho tinto ou branco ou limão. Outros tipos de vinagres também fazem bonito: de Jerez ou de arroz por exemplo. O azeite também é um caminho fácil mas nada impede que você experimente variações com outros tipos de óleos como de gergelim ou amendoim, que garantem saladas com toque mais asiático.

Toppings

São aqueles ingredientes perfeitos para finalização, como nozes ou sementes torradas, azeitonas, alcaparras, algas, queijos picantes ou salgados, abacate, frutas secas picadas (damascos e passas são deliciosos, com seu equilíbrio doce-ácido) – eles são opcionais, mas adicionam textura e toques extras de sabor, tornando cada mordida mais interessante. Você pode criar suas combinações favoritas em grupos de dois ou três por salada – exemplos: amêndoas torradas, azeitonas verdes e passas douradas; sementes de algas e gergelim.

Que tal começar agora mesmo a criar suas combinações favoritas? Uma opção fácil e saborosa é o Tabule de Trigo, um prato tradicional da culinária árabe.

INGREDIENTES

½ xícara (chá) de trigo fino (para quibe)
2 tomates sem semente em cubinhos pequenos
½ cebola em cubos pequenos
1 ½ xícara (chá) de folhas de salsinha picada
¾ de xícara (chá) de folhas de hortelã fresca picada
caldo de 1 limão
¼ de xícara (chá) de azeite
sal a gosto

Hidrate o trigo 15 minutos em uma tigela com água. Passado os 15 minutos, escorra o trigo em uma peneira fina, retirando bem a água. Numa saladeira coloque a cebola, o tomate, a salsinha e a hortelã picados. Tempere com o caldo de limão, o azeite, sal a gosto e misture bem. Acrescente o trigo hidratado e misture delicadamente com uma colher – o trigo é o último a entrar na salada para não ficar encharcado. Prove e ajuste o sal. Sirva a seguir.

Você também vai gostar:
Molhos para Saladas

Acompanhamentos Receitas Vegetais

Acompanhamentos – Purê

purê

Muito além do prato principal, na hora de compôr o cardápio do dia-a-dia vale a pena investir também nos acompanhamentos. Eles podem transformar um prato principal simples em uma refeição mais nutritiva e saborosa, por isso iniciamos nossa série de Acompanhamentos com um clássico: purê. Eles são praticamente uma unanimidade e podem ser preparados de diversas formas e com os mais variados ingredientes. Em versões rústicas ou mais lisinhas, acompanham bem qualquer grelhado ou assado e podem incluir nutrientes importantes em suas refeições.

As técnicas para reparar um bom purê podem variar um pouco, dependendo se você está trabalhando com uma raiz ou vegetal com amido (como batata ou abóbora), grãos como ervilha ou feijão ou um ingrediente mais esponjoso, como a berinjela. Seja qual for o ingrediente, separamos algumas dicas básicas para te ajudar na hora de preparar o purê perfeito.

Primeiro cozinhe seu ingrediente. Isso pode ser feito da maneira tradicional, em água, no vapor ou no forno. As duas últimas opções produzem purês melhores, mais saborosos e nutritivos.

CONFIRA NOSSAS OPÇÕES DE PANELAS PARA COZINHAR A VAPOR

Purês podem ser feitos no liquidificador, mixer ou processador, dependendo do ingrediente. Vegetais com amido, como batatas e algumas abóboras, ficam pegajosos quando colocados no liquidificador ou processador de alimentos. Legumes com amido como esses devem ser triturados à mão ou passados ​​por um espremedor manual.

purê de abóbora

A base de um purê quase sempre é um vegetal, uma gordura (como manteiga ou azeite) para enriquecimento e sabor e um caldo ou outro líquido (água, leite, creme de leite, etc) para consistência. Apesar da base simples, nada impede que você adicione outros sabores, como ervas frescas e especiarias ao seu purê – abóbora por exemplo fica ótima com um toque de noz moscada ralada na hora. Para acompanhamentos de pratos mais temperados, prefira os purês mais leves e menos condimentados.

CONFIRA NOSSA SELEÇÃO DE RALADORES

Muita coisa pode virar purê, mas destacamos algumas opções que são praticamente à prova de erro, além de serem excelentes opções para acompanhar proteínas: batata-doce, mandioquinha, cenoura, beterraba e couve-flor.

Purê de mandioquinha

Descasque e cozinhe a mandioquinha cortada em cubos por 20 minutos ou até ficarem macias. Passe pelo espremedor e coloque em uma panela. Junte 1 colher (sopa) de manteiga (para cerca de 500gr de mandioquinha) e 1/2 xícara (chá) de leite. Mexa e cozinhe em fogo baixo por 2 minutos. Acerte o sal e sirva a seguir.

dica: utilize o mesmo processo para purês de batata, batata doce, abóbora e cenoura.

purê beterraba

Purê de beterraba

Cozinhe 4 beterrabas grandes na panela de pressão até ficarem macias. Retire a casca, corte em pedaços e leve ao liquidificador, batendo até ficar homogêneo. Leve a beterraba batida para uma panela e junte 1/2 colher de sopa de manteiga. 1 gema de ovo batida e 30 g de queijo parmesão ralado. Misture bem e tempere com sal e pimenta do reino.

purê de couve flor

Purê de couve-flor

Corte uma couve-flor pequena em floretes e leve para uma panela com 1 1/2 xícara (chá) de água, 1 1/2 xícara (chá) de leite e uma folha de louro. Tempere com sal e cozinhe por 15 minutos ou até que a couve-flor esteja macia. Reserve1 xícara da água de cozimento e escorra o restante.
Leve a couve-flor cozida para o liquidificador e bata até ficar cremoso. Se necessário, acrescente aos poucos a água do cozimento reservada.
Acerte o sal e sirva a seguir.

dica: finalize o purê de couve-flor com parmesão ralado – fica uma delícia!

Você também vai gostar:
Chips Assados

Bolos e Tortas Receitas

Massa básica para tortas

massa básica para torta

Seja ela doce ou salgada, o segredo para uma boa torta começa pela massa básica. Geralmente leve e quebradiça, a pâte brisée tem origem francesa e também é conhecida como massa podre. A base de farinha de trigo e gordura, ela é fácil de preparar e muito versátil – pode ser utilizada também para preparar versões mini de tortinhas, empadinha, empadão e até quiches.

Ingredientes

250g de farinha de trigo comum (sem fermento)
125g de manteiga sem sal gelada em cubos
1 gema
água gelada para dar o ponto
1 pitada de sal
(gema para pincelar pra torta fechada)

Em um bowl grande coloque a farinha , o sal e a manteiga. Use a ponta dos dedos para ir dissolvendo a manteiga, mas não por completo. A textura deve ser de uma farofinha, mas ainda com pedacinhos aparentes de manteiga, isso mantém a crocância da torta.

Bata a gema com um pouquinho de água, apenas para misturar. Forme um buraco na massa do bowl, coloque a gema e vá misturando com os dedos. Delicadamente misture tudo até formar uma massa homogênea. Se for preciso, junte água aos pouquinhos. Lembre-se de que a manteiga vai derretendo com o calor das mãos, então não será necessário acrescentar água demais.

pâte brisée
para versões individuais, use mini formas

Forme uma bola com a massa, embrulhe em plástico filme e leve para a geladeira por pelo menos 30 minutos. Após esse tempo, divida a massa, separando uma parte para a cobertura e use um rolo para abrir. Use a massa para forrar o fundo e as laterais de uma forma para torta ou de fundo removível.

Você pode assar a massa já com o recheio ou, no caso de recheios que não precisem de forno, basta pré assar a massa (neste caso, use toda a massa, sem reservar uma parte para a cobertura). Use um garfo para fazer furinhos e cubra a massa com papel manteiga. Preencha o fundo da forma com feijões crus, apenas para fazer peso. Leve ao forno preaquecido para assar por 20 minutos. 

massa básica de torta
alguns recheios não necessitam ir ao forno, neste caso pré asse a massa

Se o recheio for ao forno, pule a etapa de pré assar. Junte o recheio na massa já na forma, cubra com a massa restante e utilize um pincel para pincelar com uma gema batida. Com as pontas dos dedos, pressione as beiradas, juntando a massa da cobertura com a da lateral da forma. No centro da torta, faça um pequeno corte em cruz usando uma faquinha para que, ao assar, o vapor tenha por onde sair. 

massa básica de torta
versões salgadas também ficam incríveis em apresnetações individuais

Dica:
Você pode congelar a massa básica por até 3 meses, embrulhada em plástico filme. Para usar, descongele em temperatura ambiente e siga o processo normalmente.

massa básica de torta

Você também vai gostar:
– Torta de Santiago

Pães Receitas

Colomba Pascal

colomba pascal

Muito além dos ovos e do bacalhau, a Colomba Pascal, um pão doce em formato de pomba, traz uma tradição italiana para nossas casas na Páscoa. Acredita-se que o nome e o formato teve origem quando um rei italiano teria optado por encerrar uma guerra depois que um padeiro de uma cidade inimiga lhe ofereceu o doce em formato de pomba. Era véspera do feriado da Páscoa do ano de 572, a ocasião perfeita para celebrar o perdão. O símbolo ganhou força e até hoje está presentes nas mesas de café da manhã do domingo de Páscoa.

Uma massa aerada e amanteigada que pode receber o recheio de sua preferência – a colomba pascal original leva apenas laranja cristalizada, mas há versões com outras frutas, passas e até chocolate. A cobertura tem um aspecto craquelado e leva açucar e amêndoas – uma delícia! A receita pede uma fermentação lenta e o ideal é utilizar o levain (fermento natural), mas ela também pode ser preparada com o fermento biológico. Apesar de parecer elaborado, o preparo é simples e pode virar sua mais nova tradição de Páscoa. Mão na massa!

Ingredientes

Para a massa

5 xícaras de farinha de trigo (700gr)
1 xícara de manteiga sem sal amolecida
1 xícara de agua morna
1 xícara de açucar (160gr)
1/2 xícara de frutas cristalizadas e passas (ou laranja cristalizada ou gotas de chocolate)
50 gr de fermento biológico fresco (ou 15gr de fermento biológico seco)
4 gemas grandes
1 colher (chá) de raspas de laranja
(confira nossa seleção de raladores)
1 colher (café) de essência de laranja
1 pitada de sal

Para a cobertura

4 claras de ovo
250gr de farinha de rosca
100gr de açucar de confeiteiro
1 xícara de amêndoas torradas

Comece dissolvendo o fermento na água junto com o açúcar e o sal, em um bowl grande. Junte a farinha, a manteiga, as gemas, as raspas e a essência e misture bem – se preferir, utilize a batedeira, com o gancho para pães. Junte as frutas (ou gotas de chocolate) e sove um pouco, para ativar o fermento e misturar bem os ingredientes, até ficar uma massa elástica. Coloque a massa em uma forma para colomba, cubra com um pano úmido e deixe crescer (de preferência em um local aquecido) por pelo menos 1 hora.

Prepare a cobertura

Bata as claras até espumar, acrescente a farinha e o açúcar e misture. Espalhe essa mistura sobre a colomba já crescida e decore com as amêndoas. Asse em forno preaquecido a 180ºC por 30/40 minutos ou até ficar dourada. Deixe esfriar em uma grade.

Você também vai gostar:
– Mesa posta – Páscoa

Dicas

5 plantas para apartamento

plantas para apartamento

Viver em um pequeno apartamento não é mais motivo para não cultivar plantas em casa. Nem mesmo a falta de incidência de sol justifica não levar o verde para os ambientes internos, já que há uma grande variedade de espécies de plantas que são perfeitamente adequadas para sobreviver – e até mesmo prosperar – nestas condições. Quer começar a deixar seu pequeno espaço mais verde? Confira nossas cinco sugestões de plantas que se adaptam muito bem em ambientes internos.

plantas para apartamento

Zamioculca

A Zamioculca é uma das opções de menor manutenção do mercado. Só precisa ser regada uma ou duas vezes por semana, não requer muita luz e não atrai insetos ou outras pragas. Para se certificar da necessidade de rega, basta verificar a terra – só regue se estiver seca. Excesso de água pode causar amarelamento das folhas. Limpe regularmente as folhas com água e pano úmido.

plantas para apartamento

Costela de Adão

Super elegante, a Costela de Adão é uma planta de meia-sombra e se dá bem em ambientes com pouca ou nenhuma incidência de sol. Para mantê-la ainda mais bonita, prefira deixá-la recebendo luz indireta apenas em dias nublados ou no inverno. As folhas largas devem ser limpas com uma esponja úmida, apenas para retirar o pó que se acumula nelas.

plantas para apartamento

Espada de São Jorge

Incrivelmente resistente, pode sobreviver a quase qualquer ambiente. A Espada de São Jorge tem folhas altas e delgadas que podem tolerar pouca luz (embora também cresça em luz média ou forte). De formato vertical, ela se encaixa de maneira muito compacta aos ambientes limitados de um apartamento e também possui as facilidades de uma planta que precisa ser irrigada apenas uma vez a cada dez dias durante os meses de inverno e no verão, uma vez por semana.

plantas para apartamento

Palmeira Areca

Se você deseja adicionar um clima tropical à sua casa, nada melhor do que uma palmeira. Elas são fáceis de cultivar e sua folhagem exuberante até ajuda a remover algumas toxinas do ar. Não é de admirar que sejam tão populares! Uma janela que receba luz do sol é o suficiente para ter uma Palmeira Areca dentro de um apartamento. A planta requer luz indireta e rega com freqüência suficiente para manter o solo levemente úmido, mas lembre-se que elas também são sensíveis ao excesso de água e não toleram ficar encharcadas! Portanto, deixe a terra secar ligeiramente entre as regas.

plantas para apartamento

Cactos

Basta um cantinho iluminado e você já tem condições de cultivar um Cacto – ou vários – já que há verdadeiros fãs da planta entre moradores de pequenos apartamentos. As versões mini são ainda mais populares e ficam especialmente lindos quando cultivados em diversos tipos e dispostos em diferentes cachepots, criando um jardim super fácil de cuidar. Algumas espécies de cactos florescem após três ou quatro anos de cultivo. A rega deve ser feita a cada 15 ou 20 dias. Caso a planta esteja exposta a luz solar direta a água pode evaporar mais rápido e esse intervalo precisará ser menor. Aqui também vale a dica de checar a terra – se estiver seca, regue.

Você também vai gostar:
Suculentas

Principais Receitas

Yakisoba

yakisoba

Prato asiático mais conhecido no Brasil, o Yakisoba já é sucesso por aqui e está no cardápio das famílias e dos restaurantes e food trucks país afora.

Não é difícil entender o sucesso – um prato feito com ingredientes do dia-a-dia e técnicas fáceis, que leva macarrão, vegetais e proteínas banhados em um molho doce e frutado. Para melhorar, o prato ainda é democrático e fácil de personalizar com quaisquer vegetais ou proteínas que você tenha em mãos. Deu água na boca? Então prepare o mise en place e fique de olho nas dicas.

Use uma panela grande

O prato tem muitos vegetais, além do macarrão e da proteína e é importante que você tenha um bom espaço para cozinhá-los, como uma frigideira ou uma grande wok, para que todos os ingredientes tenham contato com a superfície quente.

Ordem de cozimento

Um bom Yakisoba tem textura crocante e agradável nos vegetais, por isso é importante começar a fritar primeiro os vegetais mais duros e que demoram mais para cozinhar, antes de adicionar os ingredientes mais macios. Outro segredo do Yakisoba perfeito é fritar o macarrão, que deve ser preparado separadamente dos vegetais, para manter a crocância. “Soba” significa macarrão de trigo sarraceno e Yakisoba significa justamente “macarrão de soba frito”.

O molho é fundamental

Se dá para variar bastante nos vegetais, para o molho aposte na versão clássica com molho de soja (shoyu), óleo de gergelim e molho inglês para garantir ao prato o sabor tradicional oriental.

yakisoba caseiro

INGREDIENTES

1/2 repolho verde
1/2 pimentão vermelho
1 cebola grande
2 cenouras
1 brócolis
1 dedo de gengibre fresco
4 xícaras de acelga picada grossa
400gr de peito de frango
2 colheres (sopa) de óleo vegetal
400gr de macarrão para yakisoba
1 colher (chá) de óleo de gergelim
1/4 xícara de molho de soja (shoyu)
1/4 xícara de molho inglês
1 colher (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de amido de milho
sal e pimenta a gosto
gergelim torrado (opcional)
cebolinha (opcional)

Antes de começar, prepare o frango e os vegetais. Descasque o gengibre com um descascador de vegetais ou com o lado de uma colher e rale-o fino. Descasque as cenouras e corte em tiras. Remova a parte central do repolho e corte em tiras finas. Corte a cebola e o pimentão em tiras finas e a acelga em pedaços grandes. Separe o brócolis em floretes e faça alguns cortes (sem deixar muito pequeno). Corte o frango em tiras médias e tempere com sal e pimenta.

Prepare o molho
Em uma tigela pequena, misture o molho de soja, o molho inglês, o amido de milho e o açúcar. Mexa até dissolver o açúcar. Reserve.

Com o mise en place pronto, é hora de cozinhar o macarrão. Na água fervente, adicione a massa e, com um pegador, mexa até ela se soltar. Uma grande quantidade de água, cerca de 2 litros, facilita a manipulação. Depois de cozido al dente, escorra, lave com água fria para interromper o cozimento e reserve.

Aqueça o óleo vegetal em uma frigideira grande ou wok em fogo médio-alto. Quando o óleo estiver quente, adicione o gengibre ralado, refogue de 30 segundos a um minuto. Adicione as tiras de frango e cozinhe até mudar de cor (cerca de cinco minutos). Assim que o frango estiver cozido, junte a cebola e refogue. Comece a adicionar os vegetais pela ordem de cozimento – do mais duro para o mais macio. Comece pela cenoura, deixando cozinhar por uns 2 minutos. Na sequência adicione o pimentão, o repolho e a acelga por último. Cozinhe até que eles estejam cozidos e al dente. Retire da panela e reserve.

Retorne a frigideira ou wok para o fogo, junte um pouco de óleo de gergelim e adicione o macarrão cozido e escorrido, mexa para desgrudar os fios e deixe fritar por 2 minutos, mexendo sempre para não grudar. Retorne os vegetais com o frango para a panela e acrescente o molho, mexendo bem para cobrir tudo. Aqueça apenas alguns segundos e sirva em seguida.

Dicas:
Use pequenos bowls para servir – fica uma graça!
Se quiser, finalize com gergelim ou cebolinha no prato.
Aposte na versatilidade! Para uma versão vegetariana, substitua a proteína por cogumelos. Nos vegetais, use o que tiver em mãos e experimente variações com brotos, como o de feijão. Na proteína, dê uma chance para cortes suínos, como lombo.
Se gostar de versões picantes, acrescente pimenta sriracha.

Dicas

Hora da papinha

papinhas de bebê

Chegou a hora de introduzir a papinha na alimentação do seu bebê? A Organização Mundial da Saúde recomenda que a introdução alimentar só seja feita depois de seis meses de aleitamento materno exclusivo. Ou seja, a partir dos seis meses, além do leite materno, o bebê passa a saborear papinhas, sopas e frutas. Para iniciar o processo, é importante que o bebê possa sentar-se ereto e manter a cabeça erguida. Depois de obter a aprovação do pediatra do seu filho, é hora de começar a preparar deliciosas papinhas de um jeito super simples e prático. Confira algumas dicas:

  • Respeite o tamanho das porções indicadas pelo pediatra! No início, bebês precisam apenas de 1 a 2 colheres de sopa de um alimento, portanto, mantenha as porções pequenas.
  • Introduza papinhas doces e salgadas simultaneamente. Vale começar pelas frutas, depois acrescentar os legumes, verduras e proteínas e também arroz, feijão e macarrão.
  • Procure utilizar alimentos frescos e tome cuidado com o excesso de sal, além de evitar temperos fortes, como a pimenta.
  • Lembre-se sempre de adequar a consistência dos alimentos ao nascimento da dentição da criança, pois respeitar essa fase do desenvolvimento ajuda a evitar engasgos e sufocamentos.
  • Fique atento a alergias, especialmente ao alimentar seu filho com alimentos que contêm alérgenos comuns, como ovos, amendoim, trigo, soja, peixe e marisco.
  • Por fim, não se esqueça de respeitar o tempo, a aceitação e o apetite da criança! Caso o bebê pareça não gostar de algum ingredientes, sem problemas. Nesta fase essa é uma reação comum e esperada. Apesar da negativa, tente oferecê-lo mais vezes, variando o tipo de preparo.
papinhas de bebê

Papinha sem mistério

Um método completamente tradicional e que nada mais é do que amassar os alimentos e oferecê-los em forma pastosa ao bebê.  Nesta fase, vale evitar o liquidificador, que pode deixar os alimentos líquidos demais e comprometer a textura.

Comece com purês simples de um único ingrediente. Isso pode ajudar a identificar uma alergia ou sensibilidade alimentar. Depois de provar a tolerância de seu filho a alimentos individuais, você pode tentar combinações para realçar o sabor e o gosto.

Papinhas de frutas e legumes

Banana
Muitas vezes chamada de alimento “perfeito”, as bananas são ricas em potássio e fibras e são uma das frutas mais aceitas pelo bebê. As bananas também são conhecidas como um dos antiácidos da própria natureza e são muito suaves para o estômago. Utilize as maduras, mais macias e docinhas para preparar papinhas. Ofereça amassada e, mais para a frente, em pedaços e até inteira. 

Abacate
Com textura amanteigada, o abacate é um alimento maravilhoso para o cérebro e o desenvolvimento físico do bebê por conter a chamada “gordura boa”. Amasse até ficar lisinho no começo e, aos poucos, vá deixando a textura mais rústica.

Mamão
As enzimas no mamão ajudam na digestão, então este pode ser um alimento perfeito para ajudar a aliviar a constipação do bebê ou problemas de barriga. Aqui também é importante escolher o mais maduro e ir evoluindo na textura.

Batata doce
Batatas-doces são fontes de vitaminas, antioxidantes e fibras. Uma papinha preparada em forma de purê simples com um toque de água ou leite é uma refeição saborosa e nutritiva.

Cenoura
As cenouras são uma ótima introdução aos sólidos por causa de seu sabor naturalmente doce e textura agradável. Um purê simples de cenouras fornece um rico suprimento de beta-caroteno antioxidante e vitamina A.
O ingrediente também é ótimo para evoluir nas texturas – comece oferecendo purês bem lisinhos e avance para cubos bem cozidos conforme a evolução do seu bebê.

Papinha de carne, batata e abóbora

1 colher de sobremesa de óleo
½ cebola picada
1 dente de alho pequeno
2 colheres de sopa de carne moída
1 batata pequena cortada em cubos
1 inhame pequeno cortado em cubos
2 colheres de sopa de abóbora cortada em cubos

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola, o alho e a carne moída. Em seguida, acrescente a batata, o inhame e abóbora. Cubra com água, tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam macios e com um pouco de caldo. Depois de pronto, amasse tudo grosseiramente com o garfo e sirva.

linha buba baby

Lembre-se que a descoberta de novos sabores é uma das fases mais deliciosas da vida do bebê. Pensando nisso, a marca Buba traz itens pensados com muito carinho. Através de cores, formas, texturas e sons, estimula todos os sentidos, contribuindo para o crescimento saudável da criança. Os itens de alimentação proporcionam praticidade aos pais e autonomia ao pequeno.

CLIQUE AQUI PARA CONFERIR A LINHA BUBA NA UP.