Categoria

Receitas

Dicas Receitas

O versátil pesto

molho_pesto

Pesto é uma coisa simples, deliciosa e versátil – vai bem na massa, na torrada, na bruschetta, no sanduíche… E para melhorar o preparo também não tem mistérios – basta usar ingredientes de ótima qualidade e voilà! Aqui vão algumas dicas:

As folhas
Lave as folhas muito bem – e esta talvez seja a parte mais trabalhosa do preparo. Ao lavá-las use água fria, não morna, que deixa as folhas mais murchas. Seque bem as folhas em um seca salada ou entre camadas de papel toalha de cozinha.
dica: salsinha adiciona uma nota mais clara ao pesto, por isso vale a pena incluí-la em parte da receita.

O alho
Pense cuidadosamente sobre quanto alho você vai adicionar. A receita abaixo pede 1-2 dentes mas tenha mente que se você adicionar 2, será um pesto com gosto mais pronunciado de alho (se você ama, vá em frente!). Já adicionando 1 dente, seu pesto será mais suave e mais equilibrado. A escolha é sua.

Pignole
Os pignoles são tradicionais no pesto, mas são caros. Você pode usar nozes ou qualquer outra castanha sem medo de errar! Qualquer que seja a castanha que você escolher, certifique-se de torrá-las primeiro. Pegue uma panela pequena, adicione as nozes, coloque em fogo médio-baixo e cozinhe, mexendo sempre, até sentir o cheiro delas.

Azeite
Escolha um azeite (de preferência extra virgem) que você goste do sabor sozinho. Se você não tiver certeza, coloque o azeite em um prato, polvilhe com sal e pimenta e mergulhe em um pouco de pão. Pergunte-se se você comeria isso em um restaurante antes de uma refeição enquanto saboreia uma taça de vinho. Se a resposta for sim, você tem um bom azeite. Vá em frente.

Queijo
Você não precisa necessariamente usar parmesão se não quiser, mas você precisa de um queijo duro e salgado para substituí-lo. Por isso, não tente adicionar mussarela ou brie por exemplo – eles não vão misturar direito e o resultado final fica comprometido. Outra dica sobre o queijo é não colocá-lo no processador de alimentos (ou pilão) com os outros ingredientes. Em vez disso, rale finamente e junte no final.

Variações
Hortelã, coentro, agrião e rúcula são algumas variações deliciosas para a receita tradicional com manjericão. Experimente!

Processador x Pilão
A praticidade pede um processador ou mixer mas os puristas dirão que um pesto só sai de um pilão. Se você também pensa assim, use o pilão e mantenha a tradição viva (todo mundo precisa de tradições). Se você no entanto gosta do que a modernidade tem a oferecer, aposte no processador – mas atenção! Não coloque tudo no processador de uma vez. Isso machuca as folhas de manjericão e faz com que as nozes liberem muito óleo, o que tornará o molho meio pastoso. Em vez disso, pique o manjericão, nozes e alho muito bem primeiro. Em seguida, coloque-os no processador de alimentos com o azeite, sal e pimenta (não o queijo – ele só entra no final!). Pulse apenas algumas vezes. Um bom pesto deve ser um pouco robusto, não super suave.

Armazenagem
A principal questão a se preocupar quando se trata de armazenar manjericão é que ele pode escurecer. Coloque uma camada de azeite por cima do pesto pronto para evitar a entrada de ar que oxida o manjericão. Feche o recipiente (confira nossa seleção de potes com fechamento hermético!) e guarde na geladeira por até 5 dias.
Pesto congela lindamente e você pode usar formas de gelo (já ensinamos o truque aqui!).

Mão na massa!

Ingredientes
1 e 1/2 xícaras de folhas frescas de manjericão
1/2 xícara folhas de salsinha fresca
1/3 xícara de pignole torrado (ou a castanha de sua preferência)
1-2 dentes de alho (dependendo do sabor que você quer)
1/2 xícara de azeite extra virgem
1/2 colher de chá sal
1/4 colher de chá pimenta preta grossa
1/4 xícara de parmesão ralado

Confira nossa seleção de processadores e pilões.

Receitas Saladas

Caesar Salad perfeita

caesar_salad

Este prato icônico – que dizem ter sido inventado na década de 1920 por Cesare Cardini, um dono de restaurante em Tijuana, México – pode parecer simples demais, mas os três ingredientes principais – alface, croutons e molho – fazem uma combinação perfeita e irresistível, perfeita para uma entrada ou acompanhamento de grelhado ou assado. Com algumas dicas preciosas, a Caesar Salad pode surpreender e virar hit no seu verão.

1. Alface
Alface seca é a chave – se ela estiver molhada o olho não grudará nas folhas (isto é verdade para qualquer salada de folhas). Separe as folhas da alface (a romana é a mais indicada) e mergulhe em um bowl com água gelada por 10 minutos. Em seguida, use uma centrífuga (ou seca salada) para secar completamente as folhas ou coloque em uma única camada em papel toalha. Depois de seca, refrigere por pelo menos 2 horas para que ela fique perfeitamente crocante.

2. Croutons
A receita clássica pede alho apenas no molho, mas inclui-lo também nas torradinhas faz muita diferença!. Amasse 2 dentes de alho e coloque em uma tigela. Adicione 1/4 colher de chá de sal e misture com um garfo até formar uma pasta. Transfira metade desta mistura para uma assadeira. Misture 3 colheres de sopa de manteiga derretida e 2 colheres de sopa de azeite (deixe o restante do alho na tigela para o molho). Corte um pão rústico em cubos de 1,2 cm e coloque na assadeira com a mistura de alho e mais 1/4 xícara de queijo ralado, pimenta moída na hora e sal. Asse em uma só camada em forno médio, mexendo no meio, até ficar crocante e dourado – cerca de 12 a 15 minutos. Deixe esfriar.

3. Molho
Até mesmo os avessos à anchova vão adorar esse molho leve e suave. Amasse 5 anchovas na mistura de alho reservada até ficar homogêneo. Misture 2 colheres de sopa de suco de limão fresco, 1/2 colher de chá de molho inglês, 1/2 colher de chá de mostarda Dijon e 1 gema de ovo. Tempere com 1/4 colher de chá de sal e pimenta. Lentamente adicione 1/3 xícara de óleo em um fluxo fino, mexendo constantemente (um processo semelhante ao preparo da maionese). Adicione a alface, misture bem para incorporar o molho e depois acrescente 3/4 de xícara de queijo ralado e croutons. Sirva imediatamente.

#DICA
Ovo cru é um problema?
Não se preocupe, não há necessidade de dispensar o molho por causa disso. Basta colocar uma panela pequena de água para ferver e misturar 1 colher de sopa de vinagre branco. Quebre 1 ovo na panela, abaixe o fogo e deixe ferver até que a clara esteja definida e a gema ainda não – isso pode levar de 4 a 5 minutos. Retire o ovo com cuidado e escorra em uma toalha de papel, parta ao meio e amasse a gema na mistura de alho e anchova. Pique a clara e misture com os outros ingredientes na etapa antes de adicionar o óleo.

4. As estrelas
Sem eles a Caesar não tem o mesmo sabor, então aposte nestes dois ingredientes imprescindíveis para fazer sua salada brilhar.

PARMIGIANO-REGGIANO
Este queijo ralado duro é feito de leite de vaca não pasteurizado e dá à salada um sabor complexo de nozes que você não obterá de queijos simplesmente rotulados como “parmesão”. O queijo Parmigiano-Reggiano tem esta denominação estampado na casca.

FILÉS DE ANCHOVA
Estes são vitais para o molho – e quando misturados com alho, limão e óleo, não têm gosto de peixe (realmente!). Para sabor e textura superiores, use filés em azeite em vez de pasta de anchova.

Quer preparar servir saladas inesquecíveis? Clique aqui e confira nossa seleção de itens essenciais.

Dicas Receitas

Tá calor? Vá de picolé!

como-fazer-picole

A temperatura subiu e uma maneira gostosa de se refrescar é com picolé. Em versões frutadas eles são ainda uma ótima opção para se hidratar e consumir frutas na estação mais quente do ano – é o que chamamos de unir o útil ao agradável, certo? 😉

Receitas de picolés não faltam mas, de um modo geral, todos são feitos seguindo um processo de quatro etapas em que você cria uma mistura, despeja-a em moldes, congela os moldes e finalmente desenforma e desfruta. Aqui vão algumas dicas para você abusar do geladinho neste verão:

1. Picolé de quê?
O primeiro passo na maioria das receitas de picolé é criar a base. Se você está fazendo uma receita à base de água, vale sempre dissolver o açúcar em água quente. Uma vez que a mistura esfriar, adicione o sabor. A fruta geralmente entra em forma de purê, que pode ser obtido levando a fruta ao liquidificador, mas é você quem determina a textura do seu picolé – se você quiser lisinho e sem sementes, bata a fruta completamente e passe por uma peneira fina. Se preferir uma consistência maior, misture por menos tempo e não coe.

Para fazer picolés à base de laticínios você normalmente combinará leite ou creme, açúcar, temperos, sucos e / ou raspas em uma panela em fogo médio-alto. Existem ainda receitas à base de água e produtos lácteos que não requerem nenhum tipo de cozimento – basta combinar todos os ingredientes e despejar a mistura em moldes.

2. Preencha os moldes

Quando você colocar a mistura nos moldes, deixe cerca de ¼ de polegada na parte superior para que a mistura possa expandir conforme congela.

3. Insira os palitos

Alguns moldes têm uma bandeja através da qual você pode inserir os palitos. Se for este o caso, certifique-se de que os palitos entrem em linha reta, caso contrário, você terá dificuldade em tirar a bandeja quando estiver pronto para desenformar os picolés. Uma boa opção é deixar os moldes descobertos no freezer por cerca de 1 hora (mas tenha cuidado para não esquecê-los!), depois insira os palitos e eles permanecerão na posição vertical.

4. Congele

Transforme seu freezer no cenário mais frio possível. Quanto mais rápido congelar, menores serão os cristais de gelo, o que significa que será mais cremoso. Coloque seus moldes na parte de trás do freezer, onde está mais frio. Picolés levam de 4 a 8 horas para congelar, dependendo dos ingredientes que você usa. Quanto maior a proporção água / açúcar, mais rápido o seu gelo irá congelar. Caso esteja fazendo opções com álcool, lembre-se que ele retarda o processo.

5. Desenforme

Cuidadosamente mergulhe os moldes em água quente por cerca de 10 a 20 segundos, certificando-se de mergulhá-los até logo abaixo da borda superior. Em seguida, puxe com força os palitos para arrancá-los. Se eles não saírem, talvez precisem de uma segunda imersão. Se você estiver usando moldes individuais, pode colocar água quente sobre a parte externa do molde e, em seguida, puxar com força os palitos.

6. Para armazenar

Aproveite o seu picolés imediatamente ou guarde-os em sacos de congelação seláveis ​​ou sacos de papel encerado no congelador. Certifique-se de que estão hermeticamente fechados para evitar a formação de cristais de gelo e aquele “gostinho de freezer”. Você também pode mantê-los congelados em seus moldes até que esteja pronto para comê-los, mas tente não deixá-los por muito tempo – eles ficam muito melhores se consumidos dentro de uma semana.

7. Transporte

Use bolsas térmicas, recipientes de isopor ou caixas de gelo se você precisar transportar picolés. Quanto mais gelo você transportar junto, mais eles ficarão congelados. Para uma viagem muito longa, você pode querer comprar um bloco de gelo seco, que irá mantê-los congelados por muitas horas.

 

#RECEITA – Picolé de Café (versão alcoólica)

Ingredientes
1 vidro de leite de coco (200 ml)
100 ml de café forte
200 ml de vodca
1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite com soro

Modo de preparo
Bata no liquidificador os quatros primeiros ingredientes. Depois de batidos, misture o creme de leite e leve aos moldes para gelar.

(dica: grãos de café dão um charme a mais e crocância ao picolé)
como-fazer-picole

#DICA – Picolé no drink

Quer drinks ainda mais refrescantes? Experimente finalizá-los com um picolé. Além de saboroso, fica uma graça!

como-fazer-picole

#DICA – Sirva com charme

Que tal finalizar aquele jantar de verão com uma sobremesa simples e refrescante? Picolé! Dê charme servindo em copos ou taças com gelo.

como-fazer-picole

Confira aqui nossa seleção para preparar e servir sorvetes.

Bolos e Tortas Receitas

Torta rústica de pêssegos

torta_pessego

Aproveite a estação para preparar uma deliciosa e prática torta com pêssegos maduros, que pode ser uma opção também para a sobremesa das ceias, já que a fruta é super hidratante. Na hora da compra, dê preferência à fruta de casca firme, mas não dura. Vale lembrar que quando está maduro, ele exala o perfume característico da fruta.

Massa

1 1/4 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de iogurte integral
1/2 colher de chá de sal
2/4 de xícara (4 colheres de sopa) de manteiga gelada
3 a 4 colheres de sopa de água gelada

Recheio

5 a 6 pêssegos grandes e maduros, descascados e fatiados
1/2 xícara de açúcar
2 colheres de sopa amido de milho
½ colher de chá de vinagre de maçã (opcional, para adicionar sabor e preservar a cor)
1/8 colher de chá de noz-moscada ralada
pitada de sal
açucar de confeiteiro para polvilhar (opcional)

Para fazer a massa:
Em uma tigela grande, misture a farinha, o iogurte e o sal.
Misture a manteiga fria e a gordura vegetal até que a massa esteja quebradiça.
Polvilhe a água gelada sobre a mistura, 1 colher de sopa de cada vez, e misture. Depois de adicionar 3 colheres de sopa de água, junte a massa em uma bola. Adicione mais água se ela se desintegrar e não se unir.
Achate em um disco, embrulhe e leve à geladeira por 30 minutos ou mais.
Pré-aqueça o forno a 200ºC.

Para o recheio:
Misture o açúcar, o amido, o vinagre, a noz-moscada e o sal.
Adicione os pêssegos, misture e reserve.

Enrole a massa gelada sobre uma superfície de trabalho bem enfarinhada, abrindo em um círculo.
Coloque a massa na travessa e aperte o fundo e as laterais, deixando uma pequena borda.
Preencha o centro com a mistura de pêssego.
Dobre as bordas da massa, dando acabamento.
Asse a torta por 40 a 45 minutos, até a massa ficar dourada.
Retire do forno e polvilhe com o açucar de confeiteiro.
Sirva quente, com chantilly ou sorvete.

Confira aqui uma seleção de travessas da marca Emile Henry, perfeitas para assar esta torta.

brunch Drinks e Coquetéis Receitas

Clericot de Alecrim

clericot

Uma bebida refrescante com a cara da nova estação e uma ótima sugestão para receber a família e os amigos em um almoço ou brunch em dias quentes.

O clericot tem origem francesa, mas há uma versão que diz que a bebida pode ter sido inventada por ingleses que moravam em Punjab, na Índia, para amenizar o calor. O fato é que, hoje, o clericot é praticamente uma bebida típica da Argentina e Uruguai – mais precisamente da cidade de Punta Del Este. Seu preparo é super fácil e o resultado final, além de saboroso e refrescante, é lindo. Use e abuse de jarras e suqueiras para servir!

Ingredientes

Para a calda de alecrim
1 xícara de açucar
1 xícara de água
3 vagens de cardamomo
1 ramo de raminhos de alecrim fresco

Clericot
4 xícaras de vinho branco ou espumante brut (para versão não alcóolica use suco de uva branca)
1 1/2 xícaras de cubos de gelo
1/2 xícara de água com gás
1/4 xícara de xarope de alecrim
1/4 xícara de calda de lichia (pode substituir por cerejas em calda)
6 uvas cortadas ao meio
5 morangos fatiados
4 lichias em calda, cortadas ao meio (se estiver usando cereja, use 1/2 xícara)
1 maçã fatiada
1 laranja em gomos
Fatias de laranja, para guarnecer
Raminhos de alecrim, para guarnecer

Modo de Preparo

Calda de Alecrim
Dissolva o açúcar na água em uma panela média, junte as vagens de cardamomo e os ramos de alecrim e deixe ferver por 20 minutos. Passe por uma peneira fina e deixe esfriar.

Clericot
Junte as frutas, o vinho ou espumante (ou suco de uva branca), 1/4 xícara da calda de alecrim e a calda da lichia em uma jarra grande e reserve por pelo menos 10 minutos. Adicione a água com gás e os cubos de gelo. Mexa e sirva.

* A receita da calda de alecrim rende 1/2 xícara, enquanto apenas 1/4 xícara é necessária para fazer uma receita de Clericot. Sirva a calda também com frutas assadas ou sorvete e para regar bolos a base de frutas cítricas, como laranja e limão.

Confira nossa seleção de jarras e suqueiras.

brunch Receitas

Sanduíche de Abacate e Ovos

Queridinho do Instagram, o abacate (ou avocado), virou protagonista de diversos pratos – de saladas, molhos, massas e sorvetes. Ele brilha em também nesta versão sanduíche, que tem preparo fácil, rápido e esbanja sabor e nutrição.

Ingredientes (para 4 sanduíches)

6 ovos
1/4 xícara de maionese caseira
1 colher de chá de mostarda Dijon
1/2 limão espremido
Sal e pimenta preta moída na hora
8 fatias de pão integral tostado na grelha ou torradeira
1 abacate
agrião quanto baste

Modo de preparo

Em uma panela cozinhe os ovos por cerca de 10 minutos. Escorra, passe por água corrente fria e descasque. Amasse os ovos em um bowl com a maionese, a mostarda e o suco de limão. Tempere com sal e pimenta.
Corte o abacate em cubos pequenos ou fatias finas. Doure as fatias de pão na grelha ou passe pela torradeira.
Em uma fatia de pão disponha cerca de 1/4 do abacate e 1/4 da salada de ovos e coloque os ramos de agrião por cima. Cubra cada sanduíche com outra fatia de pão e sirva.

Dica UP:
Dê um charme ao sanduíche finalizando com o Espeto para petiscos Nó 50 peças 9cm – 3031648

Drinks e Coquetéis Receitas

Martini de abóbora

martini_abobora

Este martini é um drink perfeito para celebrar o Halloween, a festa americana que pode ser tema de uma divertida reunião entre amigos ou mesmo de animados aniversários no final do mês de outubro.
Adeptos ou não da festa vão adorar o drink que tem a abóbora como estrela e surpreende no sabor.

Ingredientes

1 colher de sopa de purê de abóbora
50 ml de vodka
1/4 xícara de suco de laranja fresco
caramelo (opcional)
sal vulcânico (opcional)
gelo
pitada de canela e noz-moscada para finalizar (opcional)

Modo de preparo

Para fazer o purê de abóbora: 1) asse um pedaço de abóbora embrulhada em papel alumínio e amasse a polpa quando estiver macia ou 2) cozinhe cubos de abóbora em pouca água, escorra e amasse.
Misture todos os ingredientes, exceto caramelo e sal, em uma coqueteleira e agite até que suas mãos estejam frias.
Mergulhe a borda da taça de martini no caramelo derretido (e frio) e, em seguida, no sal vulcânico.
Passe a mistura da coqueteleira por um coador de gelo direto na taça preparada.
Sirva em seguida.

CONFIRA NOSSA SELEÇÃO DE ITENS PARA O SEU BAR.

Acontece Caldos e Cremes Receitas

Lamen

Querido do outro lado do mundo, o Lamen conquistou de vez os ocidentais e ganha cada dia mais destaque em restaurantes de grandes cidades. Originalmente chinesa, a receita barata e fácil de reproduzir se popularizou no Japão principalmente após a Segunda Guerra Mundial e então ganhou o mundo.

O Lamen (se pronuncia Ramen) nada mais é do que um bowl com caldo, macarrão oriental e acompanhamentos. A receita é versátil e permite diferentes variações – desde o tempero do caldo, passando pelos acompanhamentos e até o tipo da massa – e não tem mistério no preparo.

Tipos de Lamen

Geralmente eles se dividem de acordo com o tipo de tempero utilizado para preparar o caldo – basicamente eles podem ser temperados com sal (Shio), com soja (Shoyu) ou com um fermentado de soja e arroz (Misô). Os caldos podem ser industrializados ou preparados em casa à base de ossos, carnes e vegetais e também se diferenciam pela concentração: os Kotteri são caldos mais grossos, gelatinosos e cheios de gordura e proteína, com longo tempo de cocção, já os Assari por sua vez, são caldos mais claros e leves, bem fininhos, preparados com legumes, algas e peixes.

Como preparar

Você precisará de:
Uma massa de macarrão oriental (hosomen, somen, udon ou soba).
Uma base de caldo de carne e vegetais.
Acompanhamentos diversos (que podem ser carnes, vegetais, algas, ovos).

lamen
Comece pelo caldo. Você pode preparar um caldo base com frango desfiado, pedaços de osso de galinha, alho, cenoura, cebola, gengibre, molho shoyu (ou sal) e água. Coloque os ingredientes na panela, deixe ferver, tire a primeira espuma produzida com a ajuda de uma escumadeira e depois cozinhe por aproximadamente 5 horas.

Ferva em seguida o macarrão e retire da água antes de ficar muito macio. Coloque em um bowl, cubra com o caldo quente preparado e adicione os acompanhamentos que desejar – carnes (em geral, lombo de porco, mas frutos do mar e massa de peixe prensada também são deliciosas opções), ovo (cozido ou poché, o que importa é a gema molinha, para escorrer e juntar-se ao caldo), algas (pode ser nori ou wakame, inteiras no canto ou picadinhas por cima), brotos (de bambu e de feijão são os mais comuns) e vegetais (cenoura, vagem, cebolinha, nirá, milho e o que mais o coração mandar).
Sirva quente.

lamen

Você Sabia?
O lamen também é o protagonista dos filmes Lamen Shop, coprodução entre Japão, Cingapura e França que conta a história de um jovem cozinheiro japonês que trabalha na casa de lamen da família e que, com a morte do pai, sai em uma jornada em busca das raízes da família; Ramen Heads, documentário japonês que retrata a abordagem obsessiva dos chefs na criação do lamen perfeito e Ramen Kuitee! (Coma lamen!), criado como mangá e transformado em longa mostra como o lamen transformou a vida de três personagens.

Confira nossa seleção de bowls para servir.

Massas Receitas

Massas coloridas

Já sabemos que fazer massa a partir do zero não é tão difícil ou complicado (aqui já tem receita!), mas e aquelas lindas massas coloridas? Elas podem até parecer mais complexas, mas na verdade com exceção de algumas pequenas preparações extras, o processo é praticamente idêntico a fazer massa fresca comum. Geralmente a cor da massa é resultado do agente aromatizante – ele pode ser feito com corantes ou com ingredientes naturais como cenoura, beterraba, cúrcuma, curry, espinafre, ervas, tinta de lula e até cacau em pó.
O sabor dos agentes aromatizantes é na maioria das vezes bastante suave, portanto o que ganhamos com as massas coloridas é basicamente aquele visual incrível, além da adição de certos nutrientes, no caso de usar vegetais em seu preparo.

Quase sempre o processo começa preparando seu agente colorido. Vamos ver como preparar massa negra (com tinta de lula), massa verde (com espinafre) e massa rosa (com beterraba).

A proporção da massa é: para cada 100gr de farinha de trigo, 1 ovo.massas_coloridas

(veja nossa seleção de liquidificadores!)

Depois de preparado o ingrediente que vai dar cor à sua massa, siga o preparo comum: Despeje a farinha na bancada, faça um buraco no meio e junte o ovo batido e 1 pitada de sal. Usando um garfo ou a ponta dos dedos, gradualmente comece a empurrar a farinha na poça de ovo. Você vai continuar adicionando farinha até que não faça mais sentido usar o garfo – a massa ficará úmida e grudenta. Continue a misturar bem com as mãos, até que seja possível formar uma bola com a massa. Agora é hora de começar a sovar muito bem a mistura para que o glúten desenvolva sua elasticidade e deixe-a macia.

Para sovar, basta pressionar a palma da mão na massa, empurrando para frente e para baixo. Gire a bola 45 graus e faça novamente. Vá adicionando farinha aos poucos, se necessário. Continue o movimento até que a massa esteja uniforme. Se a massa estiver seca demais, pode ser preciso adicionar um pouco de água – neste caso, use um borrifador para evitar adicionar água demais.

Agora é hora da massa descansar. Forme uma bola com a massa, envolva-a em filme plástico e leve ao refrigerador por, pelo menos, 30 minutos.

O restante do processo é por sua conta: abrir a massa com uma máquina ou rolo de macarrão e cortar no formato desejado. Pronto! Agora é só cozinhar normalmente e escolher o molho de sua preferência.

massas_coloridas

Clique aqui e veja nossa seleção de itens indispensáveis para preparar massa caseira.

Dicas Receitas Vegetais

Flor para comer

flores_comestiveis

A estação mais florida do ano chega trazendo cor, vida, alegria e… sabor. Sim! As flores comestíveis são utilizadas na gastronomia há séculos – a França medieval por exemplo utilizava em seus pratos a calêndula, enquanto na Roma antiga as rosas tinham destaque na alimentação. Parece estranho comer flor? Mas saiba que existem diversas espécies seguras para consumo e outras que você já come e nem sabia que eram flores como a alcachofra, a couve flor, o brócolis, além da deliciosa flor de abobrinha.

As flores comestíveis podem ter sabor doce, cítrico, levemente apimentado e até amargo. Algumas são consumidas na totalidade, outras parcialmente, como as pétalas de tulipa, algumas apenas em certas fases do seu desenvolvimento, como os botões de margaridas. Elas têm baixo valor calórico (cerca de 40kcal por 100g) e, assim como algumas frutas e verduras, apresentam vitaminas (principalmente A e C), além de fitoquímicos, reconhecidos pela sua atividade antioxidante e anti-inflamatória em nosso organismo. Nas pétalas, principalmente, ficam os minerais, vitaminas e compostos fitoquímicos. Ainda nas pétalas, há os flavonoides, com efeitos anti-inflamatório, antimicrobiano e antiviral. Além dos benefícios, os pratos ganham um visual incrível com flores comestíveis, que podem ir desde um simples canapé até um apetitosa salada.

Ficou animado a incluir flores na sua alimentação? Aqui vão algumas dicas:

Não coma flores que vieram de floricultura ou que foram cultivadas para serem vendidas como decoração. Também não consuma espécies que estiverem em estradas, parques urbanos ou canteiros públicos, que podem estar contaminadas com agrotóxicos e metais pesados. Claro que a poluição do ar também poderá contaminar as flores do campo, ou da sua casa mas, com certeza, o índice de contaminação será menor.

As flores, todas, são potencialmente alergênicas, então, se você é suscetível a alergias (pólen, pigmentos, bichinhos) tenha bastante cuidado. Não coma se não tiver certeza sobre a segurança do consumo.

Antes de comer flores lave-as muito bem em água para eliminar resíduos ou bichinhos que possam estar em seu interior. Lembre-se que há diferenças entre pétalas e miolo, tanto de gosto como de composição.

Para sua segurança, prefira sempre flores que você já sabe que são inócuas. Muitas flores se parecem e algumas podem ter algum tipo de toxicidade.

flores_comestiveis flores_comestiveis flores_comestiveis flores_comestiveis flores_comestiveis

Uma lista de flores comestíveis: 

Capuchinha – ótima para saladas, têm um gosto ligeiramente apimentado. As sementes podem até ser usadas para substituir pimentas tradicionais. A planta inteira é comestível.

Dente-de-Leão – para saladas e cozidos.

Lavanda – seu sabor e aroma são bastante específicos, com um leve toque cítrico e são ótimas para geleias e doces.

Hibisco – vai ao chá, ao licor e a geleia.

Rosas – todas são comestíveis e seu sabor depende da espécie, podendo ser adocicado ou amargo. Rendem ótimas geleias para acompanhar grelhados.

Amor-perfeito – tem textura aveludada e é refrescante. Boa para saladas ou aromatizar vinagres.

Calêndula – apenas as pétalas da espécie são propícias para o consumo. Boa para receitas quentes, ela tem um sabor amargo e pode substituir o açafrão.

Flor-de-mel – com aroma intenso de mel e sabor adocicado, a flor combina com sobremesas, carnes e até peixes. É branca e delicada, com folhas de sabor apimentado.

Não esqueça também das flores dos trevos, das azedinhas, das flores de manjericão, da rúcula, da cebolinha e tantas outras que passam despercebidas em nosso dia-a-dia.

flor_abobrinha

#RECEITA: FLOR DE ABOBRINHA EMPANADA

20 flores de abobrinha
2 ovos
2 colheres (sopa) de parmesão ralado fino (veja nossa seleção de raladores!)
6 colheres (sopa) de farinha de trigo
Sal e pimenta a gosto
80ml de água com gás
Óleo para fritar

Lave as flores de abobrinha com cuidado e seque-as com papel toalha.
Em um bowl bata os dois ovos, misture o queijo e a farinha. Tempere com sal e pimenta e acrescente a água com gás. O resultado deve ser uma massa grudenta.
Passe casa flor de abobrinha pela massa e frite em óleo quente, dourando todos os lados. Escorra em papel toalha e sirva em seguida.